MUSCULAÇÃO FAZ ENCURTAR O MÚSCULO?

Uma das perguntas freqüentes nas academias é: "se o treinamento de força diminui a flexibilidade por causa do aumento do tamanho do músculo".

Em primeiro lugar, e isso me parece lógico, somente a falta de exercício pode provocar diminuição da flexibilidade. Se não usa atrofia, né?

Qualquer atividade física, seja ela qual for, exige uma mobilidade articular mínima. O sujeito sedentário quando passa a praticar um exercício qualquer começa a forçar naturalmente novos limites de amplitude, por vezes à custa de umas "doreszinhas" aqui e outra ali. O exercício com peso aumenta a flexibilidade articular de quem já tinha alguma limitação pela falta de uso. Quem já tem uma flexibilidade normal, o exercício com peso não diminui essa qualidade física. As provas contra isso não são novas. Massey e Chandet em 1956, citado por Fleck demonstraram que o treinamento com peso pesado não provoca a diminuição da flexibilidade. Baseado nesses estudos, Trasc e Kelly 1987 repetiram as experiências treinando voluntários por 11 semanas e concluíram que além da flexibilidade não ficar prejudicada, a amplitude articular de determinados movimentos pode até aumentar.

O professor José Maria Santarém, Doutor em Medicina e Coordenador Médico Doutor do CECAFI (Centro de Estudos em Ciências da Atividade Física) justifica que a musculação aumenta a quantidade de tecido conjuntivo, tecido esse que recobrem as fibras musculares, são viscosos e elásticos. Se aplicarmos uma determinada força num músculo hipertrofiado e a mesma força for aplicada no músculo não treinado, o primeiro alonga mais. O que "estica" mais? Um elástico grosso ou um fino de mesmo tamanho? A maior prova disso são os vários trabalhos mostrando que levantadores olímpicos têm flexibilidade acima da média. Claro, "hipertrofia quando exagerada, pode limitar a flexibilidade articular, em função das condições anatômicas". Ou seja, o músculo não cabe mais no seu espaço anatômico.

Mas como eu gosto das coisas simples, o que dizer então da ginástica olímpica masculina? Homens bem fortes e com uma flexibilidade incrível, né? Claro, além da musculação, o treinamento deles é acompanhado de muito alongamento. Mas se a hipertrofia encurtasse o músculo, por mais alongamento que fizessem não conseguiriam aumentar a flexibilidade. Em tese, a musculação pode até ser um treinamento oposto ao alongamento, mas as fibras musculares mais fortes alongam mais. Não acham?

O que acontece por exemplo nas salas de musculação com a "galera" querendo mostrar-se mais forte do que realmente está, é que contrai voluntariamente o peitoral e as coxas adotando uma postura antinatural, "todo duro" feito um robô. Muitas vezes esses alunos, andando naturalmente, contraem tanto o peito e ficam com as costas arcadas, numa posição cifótica (corcunda) e com os braços semiflexionados... mesmo sendo alvo de chacotas. Entretanto, parece que as chacotas acabam se tornando um incentivo a mais. "Mamãe sou forte!" Chega mesmo a ser quase um problema sociocultural.

Outro erro dessa "galera" é que, ao executar os seus exercícios, o fazem com o segmento corporal a ser trabalhado também semiflexionado não iniciando o exercício em estado de pré-estiramento. "O trabalho concêntrico/excêntrico completo não altera o comprimento total do músculo" (Lapierre 1982). Além disso, todo exercício partindo da posição de pré-estiramento aumenta a força despendida pelo músculo. Isso acaba é dando mais trabalho para os profissionais de Educação Física responsáveis por salas de musculação. A toda hora têm que estar corrigindo os mesmos teimosos alunos.

Devemos levar em conta também, as limitações genéticas de qualquer população de controle. Em atletas ou não, a gente sempre vai encontrar pessoas que mesmo sem treinamento alongam mais e outras bem menos. Portanto, gente. Essa idéia da musculação encurtar o músculo deixando o sujeito "todo duro" não tem muito fundamento. Não existe nenhum trabalho provando isso. O que existe de fato é trabalho mau feito muito mais em função da teimosia de uma parte dos ditos "marombeiros". Uma mania que dá muito trabalho para o professor. Não acreditem em mim. Pesquise! Teste! Observe! A internet está aí mesmo e depois conclua. Tomara que eu esteja errado pra aprender mais. Um grande abraço moçada da geração saúde!

LITERATURA CONSULTADA 1) Fleck Steven J.- Fundamentos do Treinamento de Força Muscular - 2ª edição - Porto Alegre - R.S. - Editora Artes Médicas Sul Ltda. - 1999. 2) Bittencourt, Nelson - Musculação: uma abordagem metodológica - Ed. Sprint -2ª edição - R.J. - 1986. 3) Fisiologia do Esporte cevfisio-L@cev.ucb.br

PARA REFLETIR: Perseverança é um dom. Teimosia é burrice.

FALE COM A GENTE - Se você tem alguma dúvida sobre exercício físico, mande a sua mensagem para o meu correio eletrônico ou ligue para a redação deste jornal. Juntos vamos aprender um pouco mais.

Luiz Carlos de Moraes

E-mail: sgb9@segen.petrobras.com.br