AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO: O DIAGNÓSTICO DAS CAPACIDADES MOTORAS

Prof. Marcelo Augusti

No mundo esportivo atual, a avaliação do desempenho do atleta é de fundamental importância para uma correta elaboração da estrutura do treinamento (seleção, organização e distribuição dos métodos de treinamento e dosificação das cargas ao longo das etapas de preparação).

Conhecendo-se o nível de aptidão do atleta através da avaliação de suas capacidades motoras, poderemos elaborar de forma precisa a proposta de trabalho para um determinado ciclo de treinamento e competições.

Assim, a seleção dos testes físicos utilizados para avaliação das capacidades motoras deve contemplar as necessidades de cada modalidade praticada.

Portanto, para os esportistas que competem em provas de longa duração, a capacidade motora principal para o máximo desempenho é a resistência aeróbia.

Entretanto, a força muscular, a flexibilidade e a velocidade também devem ser avaliadas, em suas variantes intervenientes no desempenho dos esportistas de longas distâncias.

A aplicação de testes físicos regulares possibilita a verificação do nível de preparação do atleta em diferentes etapas do treinamento, comparando o rendimento em relação aos testes anteriores e aos resultados competitivos obtidos.

Além disso, a avaliação do desempenho permite comprovar a eficiência da metodologia utilizada, através da observação dos avanços proporcionados pelo treinamento, ou a sua ausência.

Os resultados dessas avaliações devem ser analisados cuidadosamente, pois eles refletem o estado atlético do esportista, devendo constituir-se num fundamento sólido para as ações pedagógicas futuras (soluções de ordem metodológica).

Através da prática regular da avaliação do desempenho, o atleta terá a oportunidade de conhecer quais são seus pontos fortes e fracos, adquirindo consciência sobre os limites do seu corpo e as exigências de sua modalidade.

TESTES FÍSICOS UTILIZADOS PARA AVALIAÇÃO DAS CAPACIDADES MOTORAS

Os testes físicos podem avaliar os aspectos gerais ou específicos da preparação do atleta.

A experiência no trabalho com atletas maratonistas, permite-nos classificar os testes físicos, para esta modalidade, da seguinte forma:

1.TESTES FÍSICOS DE CARÁTER GERAL

2. TESTES FÍSICOS DE CARÁTER ESPECÍFICO

  1. Avaliação da endurance cardiorrespiratória: TESTE DE CORRIDA DE 12 min (COOPER);
  2. Avaliação da força muscular: TESTE DE FORÇA LOCALIZADA – NO.MÁXIMO DE REPETIÇÕES (Flexões abdominais, flexões de "braços" e agachamento);
  3. Avaliação da flexibilidade: BANCO DE WELLS;
  1. Avaliação da resistência aeróbia: TESTE DE CORRIDA DE 15km;
  2. Avaliação da força muscular (Exercício Leg Press): TESTE DE CARGA MÁXIMA DE 1RM e TESTE DE RESISTÊNCIA MUSCULAR LOCALIZADA (REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 40% DE 1RM);
  3. Avaliação da resistência anaeróbia: TESTE DE CORRIDA DE 1000m;
  4. Avaliação da velocidade de base: TESTE DE CORRIDA DE 100m.

 

O teste para avaliação do limiar anaeróbio é imprescindível, podendo ser realizado em um laboratório de fisiologia ou mesmo numa pista de atletismo.

Quanto maior a experiência do atleta, tanto maior será a importância dos testes específicos, pois são eles que fornecem o diagnóstico das reais possibilidades do atleta.

É importante ressaltar que os resultados obtidos devem servir de preciosa fonte de informações para que o treinador possa programar o volume e a intensidade das cargas de trabalho em cada fase da preparação do atleta.

Somente o controle da eficácia do treinamento permite o desenvolvimento e a otimização dos processos de treinamento a longo prazo, sendo que a observância de uma periodicidade é fundamental para o acompanhamento dos avanços e suas relações com o resultado competitivo.

Assim, os testes podem ser aplicados ao final de cada etapa de preparação, comparando-se os resultados atuais com os das etapas e anos anteriores.

Dentro da estrutura geral do treinamento, algumas competições podem e devem ser programadas como meio pedagógico para avaliação do desempenho, servindo como testes específicos de avaliação.

Lembramos que a prática regular da avaliação das capacidades motoras do esportista de longas distâncias deve ser precedida por uma avaliação médica.

Quanto ao avaliador, o mesmo deverá ser formado em Educação Física ou Esporte, com experiência em avaliação física.

Ao treinador, cabe a interpretação dos resultados e a aplicação das intervenções metodológicas necessárias para a melhora do resultado competitivo.

Bibliografia Recomendada:

  • BARBANTI, V.J. Teoria e Prática do Treinamento Esportivo. 2ª edição. São Paulo: Edgard Blücher, 1997;
  • DANTAS, E.H.M. A Prática da Preparação Física. 4ª edição. Rio de Janeiro: Shape, 1999.
  • MARINS, J.C.B e GIANNICHI, R. S. Avaliação e Prescrição de Atividade Física: Guia Prático. 2ª edição. Rio de Janeiro: Shape, 1998.

Prof. Marcelo Augusti

  • Graduado em Educação Física pela ESEF, Jundiaí;
  • Pós-graduado em Fisiologia do Exercício e Treinamento Desportivo, pela UNIFESP – Escola Paulista de Medicina;
  • Personal trainer de atletas fundistas em Franco da Rocha, SP.

E-mail: aaugusti@ig.com.br